Posts Tagged ‘Helena Solberg’

VIDA DE MENINA, dir. Helena Solberg, BRASIL-RJ, 2005

maio 6, 2010

No próximo sábado, 8 de maio, às 16h00 o Benedita Cineclube exibe VIDA DE MENINA, de Helena Solberg. Classificação livre.

O longa-metragem é uma adaptação dos diários de Helena Morley, pseudônimo de Alice Dayrell Caldeira Brant. Sob a perspectiva dessa menina de 13 anos, o filme exibe um panorama intimista da vida cultural e familiar da cidade de Diamantina em seu período de decadência econômica nos fins do século XIX. Sentimental, mas sem concessões à pieguice, Vida de menina não é apenas um grande filme de época, repleto de cenas marcantes e bem realizadas, mas também o resgate de uma importante obra literária que encantou personalidades como Guimarães Rosa e Elizabeth Bishop.

Vida de menina acompanha três anos (1893-1895) da vida da adolescente Helena, em um momento crítico de sua vida, quando começa a lutar para conquistar sua liberdade e integridade. Tendo como pano de fundo um Brasil que acaba de abolir a escravatura e proclamar a República, a jovem começa a escrever o seu diário, revelando seu universo e um país que adolesce junto com ela. É nesse diário que Helena debocha e desmascara as pretensas virtudes alheias, procurando não perder sua alegria infantil de viver e reinventando o mundo à sua maneira.

TRAILER

CRÍTICA

Questionando um país jovem e contraditório

por Neusa Barbosa

A crônica cotidiana de um país que acaba de proclamar a República mas disfarça mal a opressão de sua grande população negra, apesar da abolição formal da escravidão, salta das páginas do diário de Helena Morley, pseudônimo literário de Alice Dayrell Caldeira Brant, que é a protagonista por trás do livro Minha vida de menina – O diário de Helena Morley (Companhia das Letras, 1998). Escrito entre 1893 e 1895, e admirado por escritores como Guimarães Rosa e Carlos Drummond de Andrade, o texto inspira Vida de menina, primeiro filme de ficção da documentarista Helena Solberg, que tão criativamente radiografou a figura de Carmem Miranda em Bananas is my business (1995).
Quase 110 anos transcorreram entre a escritura do livro, publicado pela primeira vez em 1942, e o filme de 2004, que traduz a notável permanência de tantos dilemas da adolescência e da condição feminina, independente de tempo e lugar. A menina Helena revela-se uma contestadora cujo espírito a Diamantina provinciana, carola, isolada, moralista e decadente de sua época não conseguem aprisionar.
No contexto de um país em transição naquele final do século 19, aparentemente nada acontecia na cidade mineira, tão ignorante da recente descoberta do cinema quanto da Teoria da Evolução de Charles Darwin. A modorra reflete o esgotamento da mineração de ouro e diamantes, que já garantira a riqueza da região, mas que agora decreta a falência de Alexander Morley (Dalton Vigh), o pai da menina, obcecado em extrair ainda algum resultado de uma lavra estéril.
Na resignação silenciosa da mãe, Carolina (Daniela Escobar), a essa insana obstinação do marido e também ao domínio do irmão Geraldo (Camilo Bevilácqua) nos negócios da família materna, Helena flagra a posição subalterna das mulheres, de que ela intuitivamente se ressente. Como também identifica as contradições que cercam a posição social dos negros em seu ambiente. Ex-escravos, eles continuam agregados na grande casa da avó, Teodora (Maria de Sá), nominalmente livres, mas cidadãos de segunda classe, até espiritualmente. O pai de Helena garante-lhe que, depois da morte, ela não irá para o “céu dos africanos”. Em sua visão, a separação por raças contamina a alma e prossegue, irredimível como um pecado original, até depois da vida.
Um Brasil jovem e contraditório, encharcado dessas violências sociais e conflitos nunca resolvidos, encontra eco nessa menina se tornando mulher, que a tudo olha com curiosidade, acumulando em seu diário não observações sociológicas, certamente, mas reflexões sinceras de um coração descompromissado que anunciam uma pré-feminista. Um diário que é, aliás, uma espécie de antecipação do blog atual, território que tem se mostrado apto a essa mesma espontaneidade juvenil.
A própria herança cultural inglesa – Helena é neta de um médico britânico – torna-se para ela outro foco de desequilíbrio e choque. As lições de etiqueta da tia Madge (Loló Souza Pinto), e suas instruções de como andar pelas ruas de terra batida portando uma sombrinha para evitar o sol, reforçam o sentimento de inadequação. E são também um retrato vivo do confronto entre uma cultura europeia resistente a abrir mão de seus preconceitos e penduricalhos e o desconfiado despojamento caipira do Brasil rural de mais de um século atrás.

 

FICHA TÉCNICA

Direção: Helena Solberg
Roteiro: Elena Soárez, Helena Solberg
Elenco: Ludmila Dayer, Daniela Escobar, Dalton Vigh, Camilo Bevilacqua, Lígia Cortes, Maria de Sá, Lolô Souza Pinto, Benjamin Abras, Luciano Luppi
Empresa Produtora: Radiante Filmes Ltda.
Produção: David Meyer
Produção Executiva: David Meyer
Direção de Produção: Marcelo Ferrarini
Direção Fotografia: Pedro Farkas
Operador de Câmera: Rodrigo Toledo
Iluminador: Pedro Farkas
Fotografia de Cena : Beatriz Perrella
Montagem/Edição: Diana Vasconcellos
Estúdio Montagem/Edição: Afinal Filmes
Direção de Arte: Roberto Mainieri
Cenografia: Roberto Mainieri
Figurino: Marjorie Gueller
Produção de Arte: Luciana Lamounier
Maquiagem: Lu de Moraes
Cabeleireiro: Bob Paulino
Técnico de Som Direto: Paulo Ricardo Nunes
Edição Som: Filmosonido
Mixagem: Filmosonido
Estúdio Som: Filmosonido
Autor da Trilha: Wagner Tiso
Descrições das Trilhas: Panis Agelicus, Jardim Secreto, Flor do céu Biribiri, Luizinha, Carnaval e Castelos, Sinos, Laschia qu’io Pianga (Handel), É a ti, flor do céu

Fonte: Programadora Brasil

Anúncios